engenharia11 Acordo de colaboração científica irá promover tecnologia e inovação no paísO Brasil e os Países Baixos renovaram, no fim de 2012, acordo de colaboração científica voltado para os setores de tecnologia e inovação, o que envolve o projeto Ciência Sem Fronteiras e trabalhos em universidades e centros de pesquisas. Os projetos – que serão discutidos neste primeiro semestre de 2013 – basicamente são dedicados à área de bioeconomia, conceito relacionado ao desenvolvimento sustentável, com base em novas relações com a terra, as pessoas e o mercado, numa atitude de respeito ao meio ambiente.

A cooperação bilateral prevê, por exemplo, programa de pesquisa em agricultura sustentável, o que depende diretamente de técnicas de engenharia, como a agronômica. “O mundo vai precisar aumentar sua produção de alimentos em 80% até 2050 para sustentar 9 bilhões de pessoas, além de reduzir perdas”, pontua o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), climatologista Carlos Nobre.

De acordo com estimativas, a parcela de contribuição do Brasil terá que aumentar em até 30%. “Essa equação só se resolve com o conhecimento científico”, declarou Nobre, ao destacar o interesse de adaptar cidades litorâneas brasileiras às mudanças climáticas. “Nesse aspecto, a Holanda, com certeza, é líder mundial.”

Nesse desafio de aperfeiçoar a produção de alimentos, a área tecnológica contribui com pesquisas e técnicas capazes de aumentar a produtividade, respeitando os princípios de preservação ambiental e da saúde humana. “Os engenheiros, agrônomos, meteorologistas, geólogos e geógrafos, técnicos e tecnólogos dessas modalidades são profissionais que têm notório conhecimento e saber técnico-científico. E muitas vezes a solução para os setores de meio ambiente, agricultura, energia está na área tecnológica”, afirmou o presidente do Confea, eng. civ. José Tadeu da Silva, durante o Congresso Brasileiro de Gestão Pública Municipal, realizado em dezembro em Brasília.

Para o presidente, os profissionais dessas áreas são responsáveis tanto pelo desenvolvimento quanto pela sustentabilidade ambiental do Brasil. “As profissões reunidas pelo Sistema Confea/Crea são de interesse humano, como diz o artigo 1º da nossa Lei nº 5.194/66. Temos um papel social muito grande e, por isso, nos colocamos à disposição da sociedade para garantir qualidade de vida. Nenhum país se desenvolve sem o trabalho da engenharia e da agronomia”, destacou José Tadeu.

“Considerando o aumento da população e a questão alimentar, há que se pensar na otimização de aproveitamento de áreas agrícolas, maximizando a produção agrícola em espaços menores e com redução do uso de recursos naturais. É preciso implementar tecnologias respeitando o tripé do economicamente viável, ecologicamente correto e socialmente responsável”, alerta o vice-presidente do Confea, eng. agr. Dirson Arthur Freitag.

Atualização

A excelência no setor de tecnologia e inovação é fundamental para que o Brasil faça a diferença no mercado mundial e torne-se ainda mais competitivo. “Se o profissional não se atualizar constantemente e não for ágil, acaba perdendo os alvos na agricultura, que hoje são móveis, eles se modificam com frequência”, afirmou Jefferson Costa.

De acordo com o diretor do Centro Tecnológico da Universidade de Brasília (UnB), eng. mec. e PhD Antônio Brasil Júnior, que também participou do Encontro de Engenheiros, a inovação tem que ser a tônica da Engenharia.

“No dia a dia, temos que transformar a velha Engenharia, rever nosso papel, buscar nichos nas novas tecnologias e nos preocuparmos com a competitividade e o mercado global. O engenheiro tem que estar atento a essas questões para não parar no tempo”.

Fonte: Confea

Disponível também em http://mundogeo.com/blog/2013/01/03/acordo-de-colaboracao-cientifica-ira-promover-tecnologia-e-inovacao-no-pais/